quarta-feira, 29 de junho de 2016

O DIA D de Enfermeiro, por Américo Condeço

Américo Condeço
 
O dia até corria normalmente lá pelos lados da enfermaria, depois de um grande jogo de Voleibol contra a equipa das transmissões e de tomado o respectivo banho, estava tudo preparado para um fim de tarde sereno e de recuperação de forças.
 
Eis senão quando, entra pela enfermaria dentro um soldado negro para fazer o injetável que andava a fazer para tratamento de um problema que tinha contraído.
 
 
Depois da aplicação da PENICILINA o dito cujo, sentou-se na marquesa e... agarrou-se á garganta e começou a inspirar pela boca e nada de expirar, denotando uma dificuldade enorme em respirar tendo-se inclusive notado o acentuar da cor escura da pele (Começou a ficar ROXO).
 

De imediato corri para a casa que ficava no exterior do quartel, mesmo em frente á porta de armas (Cancela ) e bati á porta chamando pelo Dr. que nessa altura era o Cardoso.
 
O mesmo estava a descansar meio fardado meio por fardar e foi assim mesmo que correu para a Enfermaria, tendo de pronto aplicado o antídoto para aquelas ocasiões, o elemento militar da província safou-se por pouco, estivemos cerca de duas horas de volta dele, e quando começou a dar sinais de vida, todos respiramos de alivio.
 
No entanto o militar esteve internado na enfermaria mais de 8 dias acompanhado bem de perto por todos nós os enfºs e maqueiros.
 
Constantemente tínhamos que aquecer água para meter no saco para aquecer o menino e durante todo o tempo que esteve internado tomava de 8 em 8 horas um xarope anti alérgico para ajudar a desintoxicar.
 
 
(Escusado será dizer ,que apanhei um susto do CARAÇAS, olha se tenho matado o pobre...), este terá sido o meu dia D em todo aquele tempo que por lá passei.
 
O DITO FEZ UM EPISÓDIO ALÉRGICO À PENICILINA .