domingo, 8 de janeiro de 2017

Na apanha do caju I, por Paulo Lopes


Paulo Lopes

Eu relembro:

No dia seguinte e como já estava mais ou menos previsto, fomos proteger os trabalhadores na apanha do caju.

Uma das varias fontes de receita para engordar contas bancárias de uma meia dúzia de abutres e claro, untar as mãos dos
 energúmenos brigadeiros, coronéis, marechais e outros que tais que estão a mais! (mentira!! Estou a brincar!!!).

Mas quem ia proteger essa receita?
Nós, pois então!

E quem a iria apanhar a troco de quase nada?
Os nativos, claro e transparente como a brisa que sopra nas tardes limpas do calor de África!
Durou dois dias esta primeira intervenção do meu grupo de combate.
Entretanto, quando outro grupo prosseguia na proteção nos campos de cajueiros e o nosso descansava no quartel de Macomia, como era eu que comandava o grupo, fui chamado ao gabinete do major.

Aqui já tinha que ter cuidado com os passos em frente, continências, farda devidamente apresentável e todas essas coisas que chamavam de disciplina militar que na recruta me ensinaram e obrigaram-me depois, mais tarde, a ensinar a outros.


E foi assim que me apresentei ao terror das operações.


Sem muita conversa paralela, o nosso major foi direitinho ao assunto e ao mesmo tempo que me mostrava no mapa uma zona determinada, ia dizendo:
— Assim que anoitecer, quero que o seu grupo saia para um patrulhamento.
Seguem por esta picada —movimentando o seu ponteiro pelo risco desenhado no mapa que nos indicava o caminho— até ao Sagal e assim que o atingirem entram na floresta até chegarem aqui — e o ponteiro parou na picada que vinha do Chai —.

Pretendo que dentro da floresta avancem ziguezagueando no terreno e em zonas mais densas façam emboscadas nos trilhos que possam encontrar.
Possivelmente e num andamento normal, chegarão perto das nove horas da manhã.


Assim que chegarem ao objectivo comuniquem para que eu mande uma viatura buscá-los. 
Compreendido?
— Muito bem meu major.
Peguei no mapa e retirei-me, sem que, militaristamente, fizesse a respectiva continência.


Claro que ele tinha uns planos muito bem definidos e estudados, mas falhou num ponto essencial: era eu que ia a comandar o patrulhamento e não ele (como é óbvio!).


Saímos às cinco horas da tarde e rigorosamente cumpri as ordens recebidas indo direitinho pela picada prevista ate ao Sagal.

Uma aldeola como tantas outras plantada uns quilómetros (poucos) afastada do quartel e que albergava uma mão cheia de nativos entre eles, decerto alguns do inimigo, que vegetavam por meia dúzia de palhotas de construção igual a todas as outras.


Mas a partir dai alterei todo o planeamento do meu querido major: não andei toda a noite as voltinhas.
Não embosquei absolutamente nada.
Não aproveitei o luar para coisa alguma a não ser para escolher o melhor local possível para estender os ossos.

Tenho a certeza de que, por muito razoável que fosse esse local, nunca se aproximaria à boa cama onde o major se iria deitar e sonhar a maneira de inventar operações para os seus soldadinhos de chumbo fazerem.

Mal acabamos de sair do Sagal e já dentro da mata, mandei formar o circulo habitual para as pernoitas e a única coisa que exigi foi a montagem de um esquema de sentinela e o silêncio quase absoluto, não fossemos acordar as diversificadas aves que já se acomodavam cobertas pela folhagem das árvores que as albergavam.

Ninguém nos chateou, nem incomodámos ninguém e por volta das cinco horas da manhã iniciámos o caminho até ao local previsto para a nossa recolha, o qual atingimos cerca das sete horas.
Claro que apenas às nove horas — de maneira nenhuma queria estragar as contas feitas pelo major!— comuniquei com Macomia informando a nossa chegada ao local combinado.

Entretanto ia escrevendo o guião para o filme que apresentaria ao major.
Fomos recolhidos duas horas mais tarde que a prevista, mas vieram.
Francamente, pensei que não o fariam e que o nosso regresso a Macomia teria de ser feito a pé.

In "Memórias dos Anos Perdidos ou a Verdade dos Heróis"
paulo lopes