terça-feira, 24 de junho de 2014

Casamento (História no Bar), por Duarte Pereira


DIA 12 DE ABRIL AUMENTEI O MEU CONHECIMENTO E CULTURA GERAL

NO PRIMEIRO BAR DAS 12 ÀS 15 HORAS, TIVE OS MEUS PRIMEIROS "COMBATES".

DEPOIS DE ESTAR NA 2ª MESA DE FAMILIARES E JÁ COM MAIS CALOR, TODOS QUERIAM UM COPINHO DE VINHO TINTO.
FOMOS DOIS AO BAR E NÃO QUERIAM DEIXAR LEVAR UMA GARRAFA PARA A MESA.
"METI A COLHERADA".
EU FICO AQUI COMO REFÉM ATÉ TRAZEREM A GARRAFA DE VOLTA.
CLARO QUE FUNCIONOU, A GARRAFA REGRESSOU VAZIA E EU VOLTEI PARA A MESA.
 

DEPOIS DE ALMOÇO, VERIFIQUEI QUE OS ELEMENTOS DO BAR DE CIMA ERAM OS MESMOS DO BAR DE BAIXO.
PENSEI PARA COMIGO, ISTO ESTÁ A COMEÇAR MAL.


APANHEI "UM PUTO", O DA GARRAFA DO BAR DE CIMA.
GENTILMENTE DISSE PARA MIM "DIGA"!!!.

OLHEI PARA UM LADO E PARA O OUTRO E CONSTATEI QUE ESTAVA SOZINHO E RESPONDI - DESCULPE NÃO PERCEBI- O RAPAZ FEZ UM ESFORÇO E LÁ DISSE "DIGA". 
EU RESPONDI "DIGO".
COMO ELE ESTAVA A FICAR AFLITO LÁ LHE CONSEGUI DIZER QUE TINHA ATENDIDO PÚBLICO E QUE NUNCA TINHA USADO A PALAVRA "DIGA".
DEI EXEMPLOS EM COMO SE DEVIA DIRIGIR ÀS PESSOAS. 
ELE NÃO ESTAVA A GOSTAR E COMPLEMENTEI, QUANDO AS PESSOAS SAÍREM E SE FOREM INCONVENIENTES, PODE CHAMAR ENTRE DENTES OS "NOMES" TODOS QUE QUISER.

(ACREDITE QUE RESULTA).
FICÁMOS AMIGOS.