terça-feira, 27 de setembro de 2016

O Bingo e o 1º ataque a morteiro, por Livre Pensador


Livre Pensador (Ribeiro)
 
Como todos os ex-militares certamente se recordam, os tempos livres passados, quer na metrópole, quer no designado ultramar, eram frequentemente preenchidos com alguns jogos (cartas, loto, etc. etc.) em que se procurava juntar o útil ao agradável (para alguns), aliando o componente dinheiro a esses passatempos.
 
 
 
Com...o em tudo na vida, no fim desses mesmo jogos alguns acabavam satisfeitos com mais alguns escudos na carteira e outros desiludidos por passarem a ter mais ar nos seus bolsos.
 
Por uma questão de princípio sempre consegui manter-me á margem desses jogos de azar, precisamente porque sempre pensei que a minha sorte não estava vocacionada para esse tipo de atividades.
 
Mas, como há sempre uma primeira vez para tudo, certo dia, já no decorrer da missão que a companhia 3508 desempenhava no Chai, entendi que não viria mal ao mundo experimentar a sensação de participar num jogo a dinheiro.
 
Era frequente na messe de sargentos jogar-se o loto á noite, após o jantar, adquirindo cada cartão pela quantia de 2$50 (dois escudos e cinquenta centavos).
 
Quem completasse em primeiro lugar os números do seu cartão, seria o beneficiário da verba em jogo.
 
E foi assim que nesse dia 11 de Julho de 1972 resolvi fazer a minha iniciação ao jogo a dinheiro.
 
E perguntarão todos vós; porquê recordar esse dia?
Já vos conto o resto.
 
Decorria o jogo do loto com toda a normalidade e devo confessar que até me sentia feliz, pois o saldo estava a ser bastante positivo para mim (a sorte protege os inocentes) e para outro camarada furriel, sendo que ambos já tínhamos um bom pecúlio de moedas de 2$50 em cima da mesa.
 
 
 
Eis senão, quando se desencadeia o primeiro ataque á morteirada ao Chai, por parte da Frelimo.
 
 
 
Naquela messe de sargentos era ver quem mais conseguia fugir, provocando um turbilhão de mesas a cair, cadeiras a voar, dinheiro e cartões pelo chão, etc. etc.!
 
Quanto a mim, dei corda ás botas e só parei no abrigo do morteiro 81, começando de imediato a ripostar ao ataque, o qual felizmente não causou danos físicos aos militares da 3508.
 
Após cerca de 20 a 30 minutos de "festival", foi possível voltar á messe onde ainda se encontrava um furriel "bem escondido" e "bem protegido" atrás de duas grades de cerveja!
 
Do dinheiro espalhado pelo chão, cada qual tentou apanhar aquilo que tinha investido e tudo acabou por ali.
 
Foi assim que aconteceu o primeiro ataque que a 3508 sofreu no Chai e foi assim que acabou a primeira, única e última vez que joguei a dinheiro durante os 39 meses de vida militar.
 
Aquele dia 11 de Julho de 1972 ficou para sempre gravado na minha memória, acabando por confirmar as minhas suspeitas de que nunca tive sorte ao jogo!
 
Ribeiro.