domingo, 25 de setembro de 2016

"UMAS COISAS" ESCRITAS PELO ANTÓNIO ENCARNAÇÃO, por Duarte Pereira

Duarte Pereira
 
PARA MINHA SATISFAÇÃO VOU PUBLICAR "UMAS COISAS" ESCRITAS PELO ANTÓNIO ENCARNAÇÃO, QUE MUITOS NÃO TERÃO LIDO.
QUEM NÃO GOSTAR DE TEXTOS COMPRIDOS, SALTE EM FRENTE
.
António Encarnação:
 
Os "19 dias da Beira" são um bom título para um conjunto de contos que poderão ilustrar como a vida foi dura, para alguns, em determinados momentos.
 
- Porque fiquei alojado no Hotel D. Afonso V?
- Porque me tornei fã de espetáculos sul-africanos?
- Porque ainda hoje gosto de acordar, ao nascer-do-Sol, na praia?
- Porque desejei que aquele maldito avião de regresso nunca tivesse vagas?
- a importância de ter perdido os óculos escuros e a necessidade de optar por horários menos ensolarados?
 
Image result for hotel d afonso v beira moçambique
 
A questão é que tive diversos parceiros nestas importantes missões na Beira e nenhum deles falou até agora.
Por isso, vou aguentar-me.
 
Mas posso acrescentar que uma das sul-africanas me apareceu, pouco depois, em Lisboa e a coisa ficou difícil.
Por causa da língua, claro.
 
Velhas DE Estremoz Alentejanas (Duarte Pereira):
Estamos a gostar do "aperitivo".
Sr António Encarnação.
"Os parceiros" fazem parte deste grupo"?
Será que se esqueceram?
Não gostarão ou não terão jeito para escrever?
Já notou algum deles a comentar alguma coisa nesta página?
Nós gostaríamos de colaborar. Se está mais à vontade com um ex-combatente, solicitaremos a ajuda do Sr Duarte.
 
Gilberto Pereira:
HAVIA UMA CANÇÃO QUE ERA ASSIM " SACA-ROLHAS "
 
Velhas DE Estremoz Alentejanas (Duarte Pereira):
Vamos com calma.
Onde andarão os outros?
Acabaremos por descobrir.
 
António Encarnação:
Esta menção aos combatentes é importante e oportuna.
Foram muitas as frentes, embora houvesse quem estivesse mais predisposto a missões de paz e de apaziguamento.
A verdade é que reduzidas unidades, inferiores a uma secção, com elementos bem apetrechados e com elevado poder de penetração, conseguiram, ali, vencer duras batalhas.
E recorrendo a Camões:
Vénus decide preparar o repouso e prémio para os portugueses.
Dirige-se, com esse objetivo, a seu filho Cupido e manda reunir as Ninfas numa Beira especialmente preparada para os acolher.
Os portugueses desembarcaram na Beira e as Ninfas deixaram-se ver, iniciando-se uma perseguição. Para aumentar o desejo dos portugueses, as Ninfas opuseram uma pequena resistência, apenas se deixando apanhar ao fim de algum tempo, efetuando-se, então, o «acasalamento» entre elas e os garbosos combatentes.
Tétis, a mais importante e loura, e a quem todo o coro das Ninfas obedecia, apresentou-se ao chefe, recebendo-o com honesta e sedutora pompa.
Depois de se ter apresentado e de ter dado a entender que ali viera por alta influição do Destino, tomando o Chefe pela mão, levou-o para o seu hotel, onde lhe explicou o significado alegórico da «Beira dos Amores»: as Ninfas do Oceano, Tétis e a Beira outra coisa não eram que as deleitosas honras que a vida fazem sublimada.
Image result for camões frases
 
Velhas DE Estremoz Alentejanas (Duarte Pereira):
Agora sim.
Ainda por cima com a ajuda do Camões a "poesia" está a aquecer.
Vemos algum risco associado, parece haver por perto "canibais".
Poderá não haver muitos apreciadores da sua literatura.
Mas... conhecemos pelo menos um que se irá "partir a rir", o Sr Rui Brandão.
 
António Encarnação:
 
E Camões também escreveu, como os combatentes sofreram duro:
 
Duma os cabelos de ouro o vento leva
Correndo, e de outra as flaldas delicadas.
Acende-se o desejo, que se cava
Nas alvas carnes, súbito mostradas.
-
Oh, que famintos beijos na floresta,
E que mimoso choro que soava!
Que afagos tão suaves! Que ira honesta,
Que em risinhos alegres se tornava!
O que mais passam na manhã e na sesta,
Que Vénus com prazeres inflamava,
Milhor é exprimentá-lo que julgá-lo;
Mas julgue-o quem não pode exprimentá-lo.
(Canto IX, 83)
 
Gilberto Pereira:
MENTES MUITO ILUMINADAS VAGUEIAM AQUI PELA PÁGINA, INSPIRADOS NO ÚLTIMO CANTO DOS LUSIADAS.
 
Velhas DE Estremoz Alentejanas (Duarte Pereira):
Sr António Encarnação.
Qual jornal francês das caricaturas?
Temos a impressão que vai aumentar o número de leitores desta página noticiosa do batalhão.
 
António Encarnação:
Guerras são feitas de muitas batalhas, em que o instrumento de luta não é mais do que um acessório, perante a vontade de vencer.
Para uns, foi a G3, para outros, nem por isso.
 
Velhas DE Estremoz Alentejanas (Duarte Pereira):
Já dizia o Sr Duarte Pereira.
Consoante as "lutas" a escolha criteriosa das armas.
 
Gilberto Pereira:
PARA UNS A G3 PARA OUTROS A CANETA3 (azul, preta e vermelha).
 
António Encarnação:
Mas, no naufrágio, Camões perdeu a folha onde escrevera a delicadeza com que as Ninfas, elegantes nos seus vestidos de noite, empurravam o 600, o tal que só pegava de xova.
 
António Encarnação:
Depois disto tudo, haja quem se declare ou vou calar-me para sempre.
 
Velhas DE Estremoz Alentejanas (Duarte Pereira):
As Ninfas empurravam o Fiat 600???
Então também trabalhavam de pé.
Aguardemos pelos declarantes que se declarem.
 
 
 
Duarte Pereira:
E eu que não tenho andado por cá para acompanhar as narrativas do António Encarnação.
Já escreveu umas "coisas".
Vejam os comentários mais acima.