terça-feira, 6 de agosto de 2013

ESTÁS MOBILIZADO - Beja RI 3, por Paulo Lopes

 
 
                                                                      Paulo Lopes

Mais um quartel a acrescentar a um currículo militar caracterizado pelo conformismo, adaptado às circunstancias de um destino paralelo ao indesejado.
Estava agora encartado para ficar do outro lado da parada. Numa fila um pouco mais à frente mas, pouco mais. Apenas as ordens eram dadas doutra forma e as exigências um pouco mais brandas. Desde que cumprisse!
Então, já com alguns meses de serviço militar cumpridos, passados entre o péssimo e o mau, com alguns rasgos de aceitável e poucos, muito poucos, momentos de lazer, recruta tirada nas Caldas da Rainha e “doutorado” em atirador com distinção de atirador especial da HK21 no quartel de Tavira, estava agora em Beja no R.I. 3, com uma situação muito diferente da que vivi anteriormente na recruta e na especialidade.
Passando o tempo de “encarceramento” obrigatório dentro do quartel, refugiando-me ora no desporto, ora na leitura, esperando pela minha hora de entrar em cena, tentando passar o que tinha aprendido, a um punhado de aprendizes a soldados que possivelmente, na maioria deles, estavam como eu, resignados com a sina de serem militares a força.
Tinha como missão, auxiliar na formação de mais um batalhão de recrutas.
Missão essa que se resumia, dado o elevado numero de formadores, a dar uma aula de ginástica das oito horas ate as nove horas da manhã e mais tarde, uma aula sem tempo, nem horário determinado, a qual tinha o pomposo nome bélico de “Instrução de Combate Noturno”, intervalados nalguns dias, com uma pequena maratona, de G3 e mochilas às costas pelas longas planícies alentejanas dos arredores de Beja.
Encontrava-me, portanto, virado para a multidão de mancebos que, prostrados em sentido, formados na parada, olhando e obedecendo sem a mínima vontade de satisfazer essas ordens mas que, pela força das circunstâncias a isso eram obrigados.
Mancebos que, tal como eu me tinha sentido, olhavam para mim duma forma não respeitadora mas de sentimentos receosos. Estava nas minhas mãos provar que ordenar, criar disciplina, não é necessariamente impor ordens apenas com o intuito de mostrar um pseudo poder, transportando para nós, instrutores, um protagonismo estúpido e rancoroso.
Uma vez por outra estava de serviço como “Sargento de Dia” não podendo, por isso, ausentar-me da porta de armas ou, outras vezes, fazendo de Policia Militar, passeando pelas ruas de Beja, mostrando cara de poucos amigos, mascarando-me, principalmente quando avistava um oficial de raiz, tal e qual um polícia, o que me dava uma certa vontade de rir e um gozo sarcástico.
Estar de serviço como Policia Militar até não era mau, porque sempre se ia dando uma visitinha ao cinema ou ver um jogo de futebol e... tudo à borla!
Na verdade, sempre tinham razão, e não nos estavam a incutir mais uma patranha, aqueles que nos informaram que os primeiros classificados do curso de sargentos milicianos não seriam de imediato escolhidos para irem formar Batalhão com o intuito de seguirem para o Ultramar.
Só iam chamando estes consoante as necessidades prementes.
Ou então tive sorte por não haver cunhas para os que tinham ficado numa classificação inferior a minha e que foram formar esses tais Batalhões com destino a África.
Apesar de não estar tão oprimido como nos últimos tempos, não deixava de me sentir privado da minha liberdade de civil.
Falsa liberdade mas, civil.
E como diria um bom português: do mal, o menos e se parti uma perna, tive sorte, pois poderia ter partido as duas..
Passaram-se, com a lentidão de quem tem pressa que o tempo se escoe rapidamente, os três meses normais da formação de recrutas.
Todos eles partiram para outros quartéis a fim de tirarem as diversas especialidades mas, fossem quais fossem essas especialidades, poucos seriam os que não rumassem as Províncias Ultramarinas.
Eu também parti até Lisboa, mas apenas por poucos dias, regressando rapidamente a Beja onde me esperava mais um ciclo de três meses.
Mais uma formação a outros tantos recrutas que, apalermados e assustados, chegavam de todas as coordenadas do País, vindos de lugarejos, aldeolas, aldeias, vilas, cidades pequenas ou grandes.
Uns mais espevitados. Outros mais cautelosos. Outros ainda, completamente fora do contexto, sendo estes, sempre os mais apedrejados pela malvadez de apanágio juvenil dos seus camaradas de caserna.
Nunca tive quaisquer problemas de registo que obrigasse a uma intervenção dalguma patente mais acima.
Tudo rapaziada bem comportada com os seus quês e senãos, mas não conflituosos nem complicativos.
Apenas uma vez fui obrigado a impor um pouco a minha ideia ao pensamento de outro. Mostrar as minhas parcas divisas indo contra os meus valores e princípios e fazendo-o apenas a pensar no grupo que tinha em mãos para instruir.
Aconteceu com um mariola, numa saída para um crosse, sem a componente de obter um vencedor: o rapaz achava que era mais forte que todos os outros e então desatou a correr pelos caminhos arenosos envolventes ao quartel que utilizávamos para esse exercício físico no exterior da prisão.
Saindo da formação, tentando mostrar a sua superioridade perante a fragilidade de alguns.
Determinei, mal ou bem, que não deveria permitir essa sua demonstração atlética, que sem duvida tinha, mas que não estava nem na hora nem no local exato para fazer prevalecer essa sua melhor preparação física.
Não querendo retirar-lhe as suas razões protagonistas através de castigos humilhantes, enveredei por outros caminhos para amansar o seu ímpeto carregando-o com umas pedras dentro da mochila que transportava às costas.
O moço foi suficientemente inteligente e percebeu a mensagem... ou sentiu o peso dela!
Para lá desta minha ocupação profissional obrigatória, estava inserido na equipa de Futebol de 5 de sargentos do RI3, a qual disputava o campeonato militar da referida modalidade o que dava para me desviar de certos e alguns serviços.
Só não resultou na “Semana de Campo”: no dia de saída para essa maldita semana (para os recrutas), tinha jogo contra a equipa do quartel de Évora e por isso estava autorizado a deslocar-me aquela cidade apresentando-me no entanto, no dia seguinte, no local onde decorria a “Semana de Campo”. Fomos jogar e ganhámos.
Lampeiro, “Chico esperto”, achei que tinha direito a prémio e não segui nesse dia para o local onde me deveria apresentar. Esqueci-me duma regra básica instalada no exército: Nunca te armes em esperto!
A minha escala de fatores positivos que tinha a tropa era péssima.
Pouco sumo ou mesmo nenhum havia a extrair as condutas militares mas, esta regra que me deu a entender existir, marcava pontos: na tropa raramente a esperteza se conseguia sobrepor à inteligência...
O capitão não achou graça a minha esperteza...
O episódio ficou-se por um corte de cabelo mais aprumado.
Não fosse o capitão, um fervoroso adepto do futebol e apoiante da nossa equipa e mais longe teria ido o dedo apontador do meu comandante.
Talvez tivesse ficado algum tempo de serviço permanente a qualquer coisa, ou ainda pior.
Mas: "Quando terminar a “Semana de Campo” quero ver-te de cabelo como deve ser. Desta vez safas-te assim", palavras do comandante de Companhia.
O como deve ser, era máquina zero ou parecido.
E assim ia levando a água ao meu moinho. Uns dias melhores, outros nem por isso, mas sempre com o tempo seguindo em frente, passando o dia-a-dia na minha obrigação de bem servir a Pátria pensando sempre que um dia voltaria a ser civil.
Cada dia que passava, tentava não auto criar uma demasiada esperança de que o tempo corria a meu favor e que, por isso, cada vez mais, ia ficando de fora a hipótese de ir para o Ultramar.
Andava, auxiliado por idênticas situações passadas com alguns camaradas que iam já na terceira instrução a recrutas, um pouco anestesiado esquecendo que era militar e que nada certificava a minha não mobilização.
Formar Batalhão já não ia. Era uma quase certeza absoluta. Essa tinha sido a hipótese primeira que ficara afastada ao vir para Beja dar instrução.
Mas eu era atirador. Formaram-me para a guerra. Não tinha cunhas. Apenas tinha ficado bem classificado no meu curso em Tavira. Estas razões que ultrapassam o suficiente colocavam, em noites de insónia, sempre no meu pensamento o espectro da partida, mas que logo no dia seguinte, me ia esquecendo e deixando-me levar pelo sonho de que mais um dia estava a contar para o fim do interminável tempo que me obrigavam a suportar.
Continuei a minha caminhada militar entre o dever e o lazer. Procurando sempre cumprir com a minha parte, evitando confrontos ideológicos, não dando no entanto demasiadamente o meu braço a torcer.
Fingindo muitas vezes. Dizendo sim quando apetecia dizer não. Calar-me quando a vontade era de gritar.
E tudo isto porque, se um simples ser humano mas de ombros enfeitados de divisas, sentisse apenas uma ligeira tentativa de desobediência ou contrariedade às suas ordens, mesmo erradas que estivessem, ou pressentisse um esboço de protesto, rapidamente me colocaria no rol dos possíveis candidatos a uma viagem até ao outro lado do mar!...

De nada me valeu essa minha conduta de bom rapazinho!...

ESTÁS MOBILIZADO ...

Foi num dos momentos de lazer, quando esperávamos quórum suficiente para mais uma tarde de jogo de futebol de 5, que o Comandante da Companhia, também ele apreciador de um bom jogo de futebol ou de qualquer outra atividade desportiva, que metesse bola, chegou para aumentar o número que fosse o ideal para iniciar a partida e me informou, com simples palavras calmas e duma frieza extrema sem transparecer quaisquer hesitação no discurso de parcas palavras e sem nenhuns rodeios, colocando o braço sobre o meu ombro, num semi-abraço:

— Estás mobilizado.

In "Memórias dos Anos Perdidos ou a Verdade dos Heróis"
Paulo Lopes