quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Demasiados galões para o meu gosto, por Paulo Lopes

 
 
Amigo Gilberto Pereira, boa noite!


Já por aí disse algures que o estar na Mataca era mau, mas tinha as suas vantagens!


Aproveito para chatear a malta com umas poucas linhas do livro "Memórias dos Anos Perdidos ou a Verdade dos Heróis" e que é um aludir ao que, em estilo de humor, comento em cima:
................................................................................................
Fizemos mais duas operações, sempre com o espírito de simples atuação de patrulhamento e nomadização. Nunca de ataque programado ou de deteção de pontos específicos.


A primeira com a duração de dois dias e a segunda de quatro dias.
Mas qualquer delas era eu quem  comandava e eram os meus homens que se expunham ao perigo (não o major ou o tenente coronel) e como tal, enfim, há os heróis procuradores de glórias e medalhas e os outros/!
Finalmente e com grande satisfação, recebemos ordens para regressar à Mataca.
Na realidade é um paradoxo o que nos traduzia esta satisfação.
Era uma alegria regressar ao isolamento total, atravessar a fronteira do mediocremente aceitável para o extremo do péssimo.
 
Apesar de Macomia ser uma vila onde até podíamos escolher, num menu de caligrafia quase indecifrável, dois ou três pratos diferentes —frango, bife ou camarão— e beber uma bazuca na mesa de um café sem ser na mesa do bar do quartel, não era, fator suficiente para fazer esquecer o militarismo que nela existia.
Demasiados galões para o meu gosto!
Onde até eu tinha de ostentar as minhas magras três listas douradas, em forma de bico de seta, colocadas sobre um pequeno bocado de fazenda verde!
 
Coisa que não existia na Mataca, apesar de se sentir, mesmo assim e aí, algumas diferenças de tratamento como, num pequeno exemplo, no local onde dormíamos: os oficiais numa casa; os sargentos numa casota; os cabos e soldados num buraco!

paulo lopes