quarta-feira, 16 de julho de 2014

ACONTECEU ANGÚSTIA EM MACOMIA - Capitulo VI, por Rui Brandão


ACONTECEU ANGÚSTIA EM MACOMIA
CAPÍTULO VI
A chegada ao interior do quartel foi um pouco estranha.
Na periferia estavam soldados deitados no chão com as G3; na messe de Sargentos havia uma euforia nervosa e próxima da estupidez.
A malta ria descontroladamente.
A descarga dos nervos era uma evidência.
Exultava-se por que não tínhamos feridos embora fosse a última coisa que estivéssemos à espera. "Aquilo" tinha sido um massacre.
De imediato fui acolhido pelo Fur. Rosa (mecânico) que me cedeu o seu quarto para mim e restante família.
Uma vez instalados, fomos convidados para a patuscada que o Fur. Pacheco estava a fazer.
Ele mesmo tinha chegado de férias havia 3 ou 4 dias.
Trouxe um pitéu para o pessoal - línguas de bacalhau.
 
 
Ficou destinado para esse dia 7 de Julho o jantar com uma caldeirada de línguas de bacalhau.
Quando começou o ataque, o Tacho já estava ao lume (na fogueira que servia a messe de Sargentos). A meio da morteirada, já dentro do abrigo o Pacheco grita.
Filhos da puta que ainda fazem queimar a caldeirada!!!
Ato contínuo, sai do abrigo debaixo de fogo e vai arrastar o tacho para fora do lume; de seguida voltou para o abrigo.
Ficará ao critério de cada um, mas este gesto de heroísmo poderia ser louvado com a cruz de guerra "língua de bacalhau de 1ª classe".
Comemos as línguas de bacalhau completamente às escuras uma vez que por medidas de segurança, toda a iluminação do quartel foi desligada.
Recolhi ao quarto do Rosa com a minha mulher e a Chana que se estava a portar como uma heroína.
Fomos dormir.
Claro que não... Não conseguimos "pregar olho" nessa noite.
Foi duro...
De manhã levantei-me e tive a sensação de uma manhã de Domingo diferente.
O falatório centrava-se na experiência de cada um.
Eu estava ali quando rebentou a primeira!!!
Então e eu?
Comecei a correr para ir buscar a G3... .... .... ...
Comecei por ir dar uma volta para ir ver como estava a instalação elétrica do quartel, por que fazia parte de uma das minhas responsabilidades.
O meu pessoal já estava no terreno a fazer essa mesma inspeção.
Feliz e inacreditavelmente não havia grandes estragos.
Quando regressava da vistoria à instalação da luz do reforço (linha vital daquele quartel), encaminhei-me para o centro do quartel e passei pelo sítio junto à grande mangueira (árvore) onde tinha rebentado uma morteirada.
 
 
No local estavam vários militares comentando o evento e ainda o Comandante.
Cheguei, disse bom dia e a continência da praxe.
O Comandante, vira-se para mim e à frente daquela malta toda, manda a bujarda!!!
Brandão, tive conhecimento que metes-te cá dentro do quartel a tua mulher sem o meu consentimento!!!
Aquilo para mim foi mais que uma morteirada que me caiu em cima.
Sinceramente já não me lembro como saí daquilo.
Fiquei sem palavras.
Nem sei se terei dito alguma coisa naquele momento.
Depois de uma situação de guerra com aquela envergadura, aquele filho da puta queria que eu o procurasse para lhe pedir autorização para proteção de mim (claro) e ainda da minha mulher e essencialmente de uma criança com 17 meses.
Oficiais de Salão.
Exatamente!!!
Eram esses que ficavam nos gabinetes a enviar os soldados e os milicianos para a frente de combate. Passavam tardes e tardes a jogar dados (7 fulen e vira, 7 fulen e vira, 7 fulen e vira).
 
 
Tantas vezes que os vi nessa figura...
Os meus companheiros que o digam, que o confirmem.
Principalmente os Oficiais e os Furriéis que tinham mais motivos para se deslocar àquele edifício onde estava instalado o Comando e a Messe de Oficiais.
Poderei falar (denunciar) ainda as matinés de conversa com o Sr. Administrador (o tal panasca de calçõeszinhos brancos e camisa branca com pichebeques dourados nos ombros).
Não posso esquecer os matacões da PIDE que por lá passaram e que tinham mais preocupação em seguir a vida dos militares que os chamados "turras".
Foi uma "guerra" de merda.
Macomia era uma feira de vaidades para aqueles Oficiais do quadro.
As companhias operacionais não tinham DE FATO qualidade de vida.
Mas os militares que as compunham, tinham a sua dignidade respeitada e inviolável.
Cada um traga a sua escala de valores e compare.
Quase que me apetecia deixar aqui um pedido de respeito pelos "aramistas".
Claro que não... As coisas não se colocam assim.
Todos, mas mesmo todos seja de que forma, tiveram o seu sofrimento numa guerra que nenhum de nós queria.
Termino esta descrição do ACONTECEU ANGÚSTIA EM MACOMIA com a publicação de uma foto que ilustra bem o que quero transmitir àquela corja de parasitas que se passearam em Macomia.